terça-feira, 6 de dezembro de 2022

Previsão para o trimestre é de chuvas com volumes de normal a acima do normal

 


O ano de 2022 vem apresentando bons volumes de chuvas no Rio Grande do Norte e a previsão é que, para este último mês do ano, dezembro e os primeiros meses de 2023, o cenário permaneça com volumes de chuva de normal a acima do normal. Dados do Sistema de Monitoramento Hidrometereológico da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) registram tendência do Fenômeno La Niña com o esfriamento das águas do oceano Pacífico, na faixa equatorial e o aquecimento do oceano Atlântico associado a atuação de sistemas metereológicos. Essas condições são determinantes para a formação e ocorrência de chuvas.

“Diante desse cenário apresentado pela tendência dos oceanos Pacífico e Atlântico, os próximos meses, dezembro/22, janeiro e fevereiro de 2023, é de que as chuvas ocorram dentro da condição de normal a acima do normal, com grande variabilidade nas distribuições temporal espacial pois os sistemas meteorológicos (Vórtices Ciclônicos de Ar Superior, Frentes Frias e Linhas de Instabilidade), que atuam nesse período são transientes e de baixa previsibilidade tanto no local e tempo de atuação”, comentou o chefe da unidade instrumental de Metereologia da Emparn, Gilmar Bristot.

Sobre as temperaturas, a média prevista para o Estado no próximo trimestre deve variar entre a mínima de 27,6ºC e 36,4°C. “O potiguar já tem sentido gradativamente mais calor em relação aos meses anteriores. No dia 21 o verão começa no Hemisfério Sul. Neste período é esperada a diminuição das nuvens no céu e há o consequente aumento da exposição solar”, explicou o meteorologista.

Análise dos próximos três meses

Pela climatologia, dezembro, primeiro mês da pré-estação chuvosa no Rio Grande do Norte, é o que menos chove no segundo semestre. A previsão chuvas médias no estado é de 16 milímetros (mm). Para as regiões Oeste, Central, Agreste e Leste o volume de chuva esperada é de 16,8mm, 15,4mm, 11,6mm 20,4mm, respectivamente “Normalmente as chuvas observadas em dezembro apresenta valores entre 1,0mm a 20, 30 mm, com maiores valores apresentados na região do Alto Oeste, Vale do Assú e Litoral Leste”, explicou Bristot.

Para janeiro de 2023, a média prevista para o estado é de 67,3mm. Bristot explica que “o mês apresenta índices que variam entre 20mm a 100mm em algumas áreas localizadas nas regiões Oeste e Litoral Leste. Na maior parte do estado predominam valores entre 20mm a 40mm. As chuvas deverão ficar próximo do normal”.

Já em fevereiro de 2023, primeiro mês da estação chuvosa, o volume de chuvas começa a elevar no interior, com acumulados entre 100mm e 150mm nas regiões Oeste e Seridó Potiguar. A média esperada é de 88,4mm para o estado, 116,7mm para o Oeste Potiguar, 89,3mm para o Litoral Leste Potiguar, 81,8mm para região Central Potiguar. 

O sistema de monitoramento pode ser acessado pelo site emparn.rn.gov.br, aba meteorologia ou meteorologia.emparn.rn.gov.br.


Via Defato


segunda-feira, 5 de dezembro de 2022

RN volta a ter conexão direta com a Argentina

 


O Estado do Rio Grande do Norte voltou a receber o voo internacional com ligação direta para Buenos Aires, capital da Argentina, na madrugada deste domingo (04). Esse foi o primeiro desembarque do tipo no Aeroporto Internacional Aluízio Alves desde março de 2020. O voo incrementa a retomada do fluxo turístico internacional e impulsiona a atividade econômica no Estado.

Os passageiros desembarcaram pela companhia GOL Linhas Aéreas, em um voo direto que ligará Buenos Aires (EZE) – Natal (NAT). Para marcar esse retorno, a Secretaria Estadual de Turismo (Setur/RN) e a Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur) realizaram uma recepção aos turistas no voo inaugural. A ação contou com a parceria do Natal Convention Bureau.

Durante o ano de 2022, o Rio Grande do Norte retomou com força total as ações de promoção e divulgação no mercado argentino, acentuando a presença digital com parceiros e agentes de viagens, participando da Feira Internacional de Turismo da América Latina (FIT) em Buenos Aires (AR), rodadas de negócios, além da realização de um road show exclusivo do RN nas cidades de Buenos Aires, Córdoba, Rosário e Mendoza. Todas essas ações reforçaram a presença da rota em questão.

Região Nordeste tem alta incidência de empresas femininas

 


Um estudo inédito da Serasa Experian mostrou que das 20,6 milhões de empresas ativas no Brasil, 8,4 milhões, o equivalente 40,5%, têm mulheres como donas ou sócias majoritárias. No recorte por estados, os dados indicam que 7 dos 10 com maior incidência de negócios com líderes do gênero feminino são do Nordeste.

Do total de 8,3 milhões de empresas dirigidas por mulheres, que considera os dados nacionais, 84,7% possuem uma única sócia enquanto no universo masculino, esse percentual é menor, de 77,4%. Elas começam a empreender mais cedo que os homens, sendo 36,3% com idades entre 20 e 39 anos.

Ainda de acordo com a pesquisa, as empresas brasileiras com até 2 anos de atuação são majoritariamente dirigidas por mulheres (17,2%) do que por homens (14,2%). A maior taxa de representação feminina ocorre na faixa de 3 a 5 anos de existência, com 28,8% para elas e 25,3% para eles.

Quando o assunto é crédito, cerca de 70% das líderes dos negócios no país têm score pessoa física acima de 500, ou seja, menores as chances de inadimplência e maior a possibilidade de conseguir um empréstimo, cartão de crédito, financiamento ou crediário, por exemplo. Quando olhamos o score pessoa jurídica, a situação é inversa. 79,7% delas têm o score pessoa jurídica abaixo de 400.


Via Defato