quarta-feira, 10 de junho de 2020

Apodi, ontem e hoje: Eci Lima

Eci: poucas letras, muitas qualidades.

No ano de 1951, mais precisamente numa segunda-feira, dia 14 de maio, vinha ao mundo, em Apodi/RN, Francisco Eci de Lima. Filho do ex-vereador Francisco Lima (in memoriam) e de Ester Guilhermina (in memoriam), e irmão de Edivan, Erivan, Plinio, Etiene (in memoriam), Roberto Eros (In memoriam), Breno (in memoriam), Eni, Eliene e Eliana (Galega Lima).

Casou-se, pela primeira vez, com Aldiceli Maria, com quem teve três filhas (Elma, Ana Karine e Ariana Karla). Hoje em dia é casado com Antônia Eufrazia de Lima Neta e desta segunda união surgiu mais dois frutos, sendo eles: Eci Junior e Erielck Lima.

Longe de ser político ou artista consagrado, Eci Lima, botafoguense roxo, é mais lembrado por sua simplicidade, hombridade, caráter e a forma de como sempre tratou, educadamente, quem o procurava. Seja entregando água, ainda na juventude, com o seu fiel jumento, ou vendendo pão na extinta padaria de Seu Zé Bolacha ou como empregado público da CAERN (Companhia de Aguas e Esgotos do Rio Grande do Norte), onde foi chefe de escritório por muitos anos, Eci sempre procurou ser atencioso e justo no tratamento humano.

Na sua vida de trabalhador, prestou serviço por muitos anos na padaria de Seu Zé Bolacha. Depois, Já no ano de 1976, trabalhou como recenseador agropecuário pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), que tinha como chefe o saudoso Walter de Brito Guerra. E, por último, prestou seus relevantes serviços na CAERN, onde ficou de 1978 até sua aposentadoria em 2014.

Falar sobre Eci é falar também sobre carnaval. Assim como quase todo brasileiro e apodiense, ele também gostava da festa do rei momo. Foi um dos fundadores dos Diferentes, antiga escola de samba. Fez parte também dos Árabes, escola campeã do último carnaval de rua da nossa cidade, no ano de 1989, com o enredo “o Xou da Xuxa”. Os Árabes conquistaram, sem saberem, o último título de uma das mais tradicionais festas da nossa cidade.

Eci Lima ou Eci de Chiquinho Lima ou, como era mais conhecido, Eci da CAERN é uma cópia fiel de um legítimo homem do interior. De gostos simples e com uma paixão absurda por sua terra natal, defende, como ninguém, os valores e os costumes da nossa cultura. Por isso, nada mais justo que inaugurar este espaço aqui no blog com uma pessoa que é um exemplo de ser humano, não só para mim, claro, mas para quem o conhece e para quem já teve o prazer de conviver com ele.

É uma personalidade genuinamente apodiense que transmite o que há de melhor do nosso povo.

Eci vive o Apodi.

Com colaboração de Eci Júnior, filho do nosso homenageado, abrimos nosso espaço dedicado a alguns ilustres apodienses...